line

BARRA BASTOMEDIA

VERMAIS

ccdr nO estudo para a reabilitação da linha do Douro, no troço Pocinho/Barca d’Alva, desenvolvido pela CCDR-NORTE e a Infraestruturas de Portugal, foi apresentado em  Freixo de Espada à Cinta. Dada a rentabilidade económica do projeto, o estudo recomenda a sua execução.

O compromisso político do Governo de Portugal foi dado pelo Ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, que garantiu que “durante o primeiro trimestre de 2023 será lançado o concurso para o projeto”.

Embora a Linha seja, per se, um projeto rentável e com sentido, o Presidente da CCDR-NORTE, António Cunha, “desafiou” o Governo da Região vizinha de Castela e Leão a fazer o prolongamento da Linha para lá da fronteira, aproveitando ainda para enaltecer “o papel da CIM Douro na elaboração deste estudo”, revela a CCDR-Norte em comunicado.

Do ponto de vista económico, o projeto foi considerado “rentável”, visto que “os benefícios económicos, sociais e ambientais superam os custos”. No documento pode ler-se que “os benefícios totais são de 84,2 Milhões de Euros a preços constantes e atualizados à taxa de desconto social, um valor que compara com 41,7 Milhões de Euros de investimento a preços constantes, atualizados à taxa de desconto social e avaliado a preços sombra”.

No setor do turismo, conclui-se que a Linha do Douro entre Pocinho e Barca D’Alva “gera importantes impactos”. Segundo o estudo, “no total dos 26 anos de exploração do projeto serão criados mais de 4700 postos de trabalho, sendo que as atividades mais beneficiadas serão a hotelaria e a restauração”. Entre os outros setores e produtos beneficiados estão “os transportes, os serviços recreativos e culturais e a aquisição de vários produtos conexos e não especificados”, lê-se no estudo. “É com estes projetos estruturantes que atraímos e mantemos investimento privado”, destacou a Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa.

Segundo o documento, estes impactos são em boa parte justificados por “uma procura diária de 256 passageiros no primeiro ano e de um crescimento constante ao longo do tempo”, com as principais motivações de “lazer e turismo”. No estudo pode ler-se ainda que o projeto assume uma dimensão regional, já que os seus efeitos positivos esgotam as fronteiras dos municípios servidos diretamente pela linha ferroviária. “De facto, metade dos benefícios do turismo estão concentrados em 4 municípios, enquanto os outros 50% repartem-se, sobretudo, pelo território do Douro em função da distância face à LPBA”, lê-se no documento.

A sessão de apresentação contou com as presenças do Ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, da Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, do Presidente da CCDR-NORTE, António Cunha, e do Presidente da CIM Douro, Carlos Silva Santiago, entre outros responsáveis, e serviu para apresentar as principais conclusões deste estudo, na componente de reabilitação da infraestrutura ferroviária e na dimensão da viabilidade e impactos económicos da sua reativação.

PODCAST-RRB-BUTTON

Espaço Aberto

ESPAÇO ABERTO

Madrugar

Madrugar

"Caminho de Emaús" na RRB

Caminho de Emaús

"A Igreja no Mundo" na RRB

AIS

Clube de Amigos RRB

Clube de Amigos