rádio região de basto

105.6fm - 93.1fm

uma rádio que vale por duas!

Procurar

Precipitação persistente e vento para os próximos dias – medidas preventivas

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil alerta a população para algumas medidas preventivas a adoptar com condições meteorológicas adversas.
De acordo com a informação do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), prevê-se,
para as próximas 48 horas, precipitação, por vezes forte, salientando-se os seguintes aspetos:
− Precipitação, por vezes forte e persistente, nas regiões do Norte e Centro. No dia 15,
chuva persistente nas regiões Norte, Centro e Alentejo;
− Vento do quadrante este-sueste a rodar gradualmente para o quadrante sul a partir de
amanhã (14/01), e a aumentar de intensidade em especial no litoral e nas terras altas.

De acordo com a informação hidrológica disponibilizada pela Agência Portuguesa do Ambiente
(APA), o ponto de situação nas bacias hidrográficas é o seguinte:
− Bacia hidrográfica do Lima: poderá ocorrer uma subida das afluências no rio Vez e
no Lima;
− Bacia hidrográfica do Cávado: no final de dia 14 e madrugada de dia 15 poderá
ocorrer uma subida de caudais nas localidades a jusante da Caniçada e de Vilarinho das
Furnas;
− Bacia do Vouga: no final de dia 14 e madrugada de dia 15 poderá ocorrer uma subida
de caudais afluentes a Ribeiradio e nas localidades a jusante da barragem e poderá
ocorrer uma subida de caudais afluentes a Águeda;
− Bacia do Mondego: poderá ocorrer uma subida das afluências ao sistema Aguieira,
Raiva e Fronhas;
− Bacia Hidrográfica do Tejo: possibilidade de inundações urbanas.

Com o agravamento das condições meteorológicas adversas, com precipitação por vezes persistente
e forte, intensificação do vento e agitação marítima, pode verificar-se a ocorrência de inundações em zonas urbanas, causadas por acumulação de águas pluviais por obstrução dos sistemas de escoamento ou por galgamento costeiro; a ocorrência de cheias, potenciadas pelo transbordo do leito de alguns cursos de água, rios e ribeiras; a instabilidade de vertentes, conduzindo a movimentos de massa (deslizamentos, derrocadas e outros) motivados pela infiltração da água, fenómeno que pode ser
potenciado pela remoção do coberto vegetal na sequência de incêndios rurais, ou por
artificialização do solo; a piso rodoviário escorregadio devido à possível formação de lençóis de água; possibilidade de queda de ramos ou árvores, bem como de afetação de infraestruturas
associadas às redes de comunicações e energia; danos em estruturas montadas ou suspensas e d ificuldades de drenagem em sistemas urbanos, nomeadamente as verificadas em
períodos de preia-mar, podendo causar inundações nos locais historicamente mais
vulneráveis.
A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) recorda que o eventual impacto
destes efeitos pode ser minimizado, sobretudo através da adoção de comportamentos
adequados, pelo que, e em particular nas zonas historicamente mais vulneráveis, se recomenda a
adoção das principais medidas preventivas para estas situações, nomeadamente:
− Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de
inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre
escoamento das águas;
− Garantir uma adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente, andaimes, placards
e outras estruturas suspensas;
− Ter especial cuidado na circulação e permanência junto de áreas arborizadas, estando
atento para a possibilidade de queda de ramos e árvores, em virtude de vento mais forte;
− Ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas
historicamente mais vulneráveis a inundações rápidas, evitando a circulação e permanência
nestes locais;
− Adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tomando especial atenção à
eventual acumulação de neve e/ou formação de lençóis de água nas vias rodoviárias;
− Não atravessar zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou
viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas;
− Estar atento às informações da meteorologia e às indicações da Proteção Civil
e Forças de Segurança.